Seguidores

2010/12/11

Você me dá!

Você me dá



Você me dá!
Um jeito danado de bom...
Coração á disparar, teu rosto no olhar!
Tua voz, na minha conspiração, teu jeito meigo, tão bom!

Você me dá vontade de não parar...
Seguir o véu de estrelas quando acontece de você chegar!
Agente não tem rotas, a não ser a do seu corpo, minha aflição.
Você me dá o que, na vida ainda não deixou inspirar...

A cada frase sua poesia minha és!
Em cada passo que tu se doas, recorro ao Gil e ao Tom!
Você me dá um jeito dengoso no coração...
Vontade de chorar em seus leitos e beijos naufragar, ambição!

Você me dá...  O eu contigo
O mero farrapo humano que, derrotas a nação!
Em berço esplêndido dorme o poeta...
Quando você me dá e tira o meu chão!

Você me dá... E devolve sonhos por que não?



Czar D’alma – Escritor e poeta.

2010/12/10

Minha Ceia

Minha ceia












Cálice vazio
Vinho derramado no chão!
Deitamos nossa carne e pão...
Sua voz contém minha mansidão!

Cálice de pão, comida deitada...
O sonho de um amor, sua carne minha fada!
Ainda é tudo em mim, essa mulher toda você...
Vamos ceiar essa nossa vontade – Minha carne, sangue e pão!


Antes do filho da perdição...





Czar D’alma

2010/12/08

Das Cidades

"Das Cidades"



Fugir do horizonte
É querer te esquecer
Ao norte os homens se matam...
Do holocausto crianças se lembram!

Da terra meu corpo não tem saudade
Da serra eu olho o mundo pequeno
Do medo eu vivo sem um espelho
Então, de negro, fico vermelho...

Do horizonte são os sonhos
Das almas são as paixões
Dos homens as solidões
E das meretrizes as petições!

Tudo é circo e venda
Para que os homens vistam ouro
E deitam com suas vaidades...
Não sei o que quero mais das cidades!



Czar D’alma

2010/12/06

Dentro do Armário


“Dentro do armário”




Pela vossa roupa dentro do armário
Pela esquina já dobrada, aquelas luas já douradas!
 No amor a flor que deitava à noite dormitava...
Era e é a poeira, desde então que reinara.

O começo do por do sol é o fim da noite.
Clama meus instintos pelas bocas tuas – Meu corpo!
Em cada toque... O Retoque que na minha vida lastrava...
Pela vossa roupa ainda e só, dentro do armário!

Que cada dia seja eterno como a flor da manhã!
Nossos dilemas e noites eternizados nos corpos e na maçã...
Quero lembrar o que já não é mais, quero esquecer os demais!
Pra onde os ventos lambem nossos sonhos... Me visto, me componho!

O quarto todo dentro de um armário
Os minutos serão séculos de memórias...
Onde estarão os nossos beijos, abraços e toques...
Compondo a poeira de cada amor, como á tarde – Beleza da flor!

Dentro do armário, tudo acabou!




Czar D’alma

2010/12/05

Vem

" Vem "



Vem pra perto, me abraça...
Deixa o mundo sorrir!

Comece o dia, contemple a alegria
Não se vive só, por mera covardia
Há de haver uma paixão pra vencer!
Sem medo de amar ou sofrer!

Vem pra perto... Dá um cheiro...
Faça-me sorrir com um beijo teu!
Deixa a vida brindar o que há!
E cada momento tem seu brilho e breu...

Agente tanto amou, casamos dentro do mar
Por que de hoje em diante, um pra cá e outro lá?
Se a vida é feita de amor, paixão e fantasia...
Quero contigo, mais um amor, não só por um dia!

Vem pra mim, me dá seu cabelo pra fazer pincel...
E pintar a vida como agente se ama e lança-se em mel!

Vem pra ti, corre de si e me abraça
Amanhã pode ser muito tarde, você não acha?
Depois de um grande amor o que se quer do mundo...
Senão, esquecer das miríades de confusões de tudo!



Czar D’alma

Enquanto Durou

"Enquanto durou"

 




Digo-te todas as coisas do dia e da noite.
Escrevo romances inteiros pensando em lhe ter.
Mas se damos as mãos e dizemos afetos e nuances...
Já não é tão verdade, parece que vira Sertão a cidade.

Com as mãos dissemos amores inteiros...
Com os lábios nos enganamos por um oceano e enredo.
E a vaidade escolhe a melhor pose frente ao espelho.
Quando pego suas mãos não me lembro do que tenho medo.

Por que as coisas mentem depois que tudo acaba...
As folhas e as flores do outono estão á beira da praia
Andamos anos afundo e não nos mergulhamos!
Para que depois do fim, agente possa apertar as mãos...


E dizer que não poderia ter sido melhor.



Czar D’alma