Seguidores

2011/08/05

Vem feliz

           "Vem feliz"     








Abre os braços, vem correndo ser feliz
Deita fora os anseios deixa a vida pedir bis
Ainda te beijo numa manhã de sol e arco- Iris
Mas não me peça pra lhe deixar sem meu pedigree


Abra os braços solta as mãos e deita aqui
O mundo pode ainda ser melhor
Ou é a gente que nunca quis


Correndo na areia da praia me abraça
Deitado na grama ou na praça
A vida é mais feliz se a gente ama alguém
Ou ela vai-se embora e é a gente quem passa


Abra os braços e me ame sim
Não vejo felicidade ao lado dos fuzis
Prefiro o seu beijo, um sol, areia, praia, peito e raça...
Pode ser na grama, o amor assim nos acha.


Eu ainda quero a vida mais feliz
As crianças acordam sorrindo e querem mais
E os adultos adornando guerras e lágrima da meretriz
Não estou sozinho se vieres comigo e na luta pela paz


Se não fosse o tal do preconceito
O mundo seria mais do paraíso
Do que o inferno que a ganância traça
Quero o sorriso no pouco do que a riqueza da desgraça


Mas ainda tem gente que assim...
Não pensa, nem se encontra e tão pouco 





Acha.








Czar D’alma



2011/08/02

Alma e Tempestade

             "Alma e Tempestade"      




           
 



Ó Senhor, escuta cá
Quando esta tempestade em mim, voltar
Esteja lá, onde o mar está em furor
E o amor não insiste em brotar


Senhor me dá aqui tua atenção
Deslancha essa coisa fria que habita
Nas almas e na dor de quem girando grita
Amena as ondas do meu mundo que, não mais brilha


De dentro da tempestade esta o clamor
Quando a gente lembra algo que passou
Sorriso, criança, amor e bonança...
E a esperança é a herança que ficou


Então eu clamo a ti Senhor
Por um segundo de paz
Ou por uma eternidade de amor
Onde meus sonhos bóiam e eu sou


O homem que naufraga

A voz que não se apaga

O verbo que não se lê

O discurso dos sem poder

A coisa mais estranha dos amantes

As lágrimas dos órfãos...

E das viúvas herança em diamantes.



O homem que vê o mar
Contempla o horizonte e chora
Pra uma estrela brilhando pisca
Sussurrando a ternura que me despista


Ó senhor escuta esta oração
Sendo eu o medo e tu o breu
Quando olho pra tudo e não encontro
Nem seu sorriso e o amor que me deu


Cantando só com as lágrimas do chuveiro
Querendo o mundo menos surdo e sem devaneio
Onde eu seja a voz que clama e tu Senhor o companheiro
Que escuta as tempestades de minh’alma e delas não faz meneio...


Pois a noite vem e volta com a tempestade
Quando as vozes gritam a fim de despistar o desespero
Onde a alma sedenta busca a tua luz
E a carne implora ainda o amor que lhe seduz...


Sendo a tempestade da alma
Ainda a quimera que reluz.
Mas um segundo em tua presença
E meu mundo enfim se torna 



luz







Czar D’alma

Distante horizonte do amor

            "Distante horizonte do amor"     



           


Olha a distância e manda-a embora
Cansa em mim teu olhar, nossa vida e história
Olha o horizonte e mande-o buscar a saudade
Dos tempos em nossos braços, amor e verdade


Olha a rua e lembra-se de nossos passos
As noites em claro e o nosso coração em compasso
Mas olha a distância de nossos lábios e grita
Pra que o nosso rumo e caminho se reencontrem em vida


Olha o que fizemos de nossos sonhos
Estende o braço da direção de meu coração
E faça-o dormir ao lado teu
Com aquele gesto exato que nasceu


O amor em distância...
O clamor de corpos ardentes
Os beijos em meios risos e dentes
E o tempo feliz do amor como criança.


Mas acorda e olha o horizonte e desponta a saudade
Por que meu coração esta ardendo por tudo que vivemos
Em amor e em 





Verdade.






Czar D’alma




2011/08/01

Entenda

           "Entenda"            



           





Eu só queria que entendesse a aflição
A dor que, vaga e não aborda em vão
Aquela Quimera que, não perde o dom
Quando o sol apaga e a lua diz não


Eu só queria que, ficasse-me desse seu tom
Calado ao meu lado dizer que, ainda fica bom...
Os dias, as noites e quando cobertor sair
Ter seu corpo em missa presente dentro aqui


Eu só queria você ao lado
Por que aqui dentro tu ficas bem
Dissesse-me um segredo que eu soubesse
Chamando-me de seu amor o amor que ainda não vem


Tu ainda hás de entender
Mas senão puder fica aqui me lê
Deixa seu carinho pra eu sonhar
E um monte de mentiras, pra eu mais lhe amar


Eu deito o sol, solto os braços ao vento
Mas sei que, quando tu me chegas me contento
Eu só queria que entendesse do meu verso
O sentido que não dou por medo do seu avesso


Eu só queria que entendesse
Mas se ficar eu agradeço
Deixa-me na cama e me dê um beijo
Pra ver se dessa dor, por um minuto sequer...



 
Esqueço!







Czar D’alma 



Empresta a Lágrima

            "Empresta a Lágrima"   




          
 


Empresta-me uma de tuas lágrimas
Pra descansar da dor que há em mim
Deixa-me subir aos céus, colher estrelas
Pra essa gente má esquecer o lado do porvir


Me deixa uma dessas lágrimas
Como eles conseguem mentir
Deita os céus em seu regaço
Esculpi a dor quem mora ali


Em meus dedos estão as mãos
Querendo o seu prelo e oração
Mas se me emprestares lágrimas
Devolvo-as quando o anjo voltar as dádivas


Saudades, mares, estrelas, amores e mãos...
Tudo isso te darei, me deixar àquela lágrima
Tudo aquilo que a alma despe em aflição
Enquanto eles dormem com suas maldades e vãos


Eu quero aquela lágrima
Pra poder dormir e despir a alma
Pra quando vier o tomento em ondas
Estender o tapete, colher estrelas e comer canção.


Onde eu deito só
Mas com aquela tua lágrima
Eu teço a minha oração...


Cuspindo ego, comendo pares
Eu desço na alva com o beijo na mão
Quando em tua lágrima eu me despeço
Mas agradeço alguém por me estender 




Perdão






Czar D’alma