Seguidores

2011/06/18

Entrelinhas

            "Entrelinhas"   



         



São nas estrelinhas de suas palavras onde
Finco minhas possibilidades de felicidades,
Por que és coisa mais que linda,
És um sonho bom!


São nas suas frases que, me perco
E me vendo toda, me vendo suja
Ontem à noite eu dei com a boca
Mandei pro inferno todo esse mundo


Por que eu quero é seu amor
Eu escrevo tudo no liquidificador
Ando lendo suas curvas com meu suor
Por isso te escrevo pra lhe ser ainda, a dor


É nas suas curvas que leio as entrelinhas
Eu sonho com seu corpo eu me entorpeço
E quando chega o dia, no meu colchão adormeço
Nas linhas das letras eu me vendo, me perco te venço


É pelo seu cheiro que, me avassalo
E me dou toda e me embaralho
Nas entrelinhas que me embalo
Caio em tua rede e jamais saio.


Ontem à noite as estrelas sorriam
Mas em minha cama tu não estavas
Foi onde eu li as entrelinhas desse maraio
Onde sou a eira e não a beira; não saio e não traio


O que no meu coração sente e sofre
Chegando a noite eu me perco, desmaio
Saio e ao meu coração não traio
Apenas me embalo nos braços do balaio


Quase nas entrelinhas eu ainda te pego
E te tiro do ralo, te pego e não distraio
Onde eu escrevo minhas preces...
Um dia eu acordo e da sua cama




Não saio!





Czar D’alma 



2011/06/17

Um Dia

            "Um Dia"      



          



Vou discorrer os anos
Entortar seus planos
Desvencilhar o medo profano
Que me invade meus canos


Os dedos se apressam
Querendo te abraçar
Quando dou por mim
Estou preso ao teu olhar


Um dia bom, o mar calmo
E minha sede de ser teu alvo
Minha maresia é você
Rasgando meus lados metais


Eu ainda irei doar-te as mãos
O que seu mundo, permite ser vão
Onde tua maresia em meio às marés
E o cinismo anda de ré.


Onde os índios são donos da terra
Onde a terra é pó dos fiéis
Cada mar tem seu doce abismo
Quando não vem amor, vejo cinismo


Onde os índios andam nus
E os hereges são quase hindus


Eu ainda pego em sua mão
Dando beijos por toda eternidade
Lavando-me solto, nu na contramão


Um dia hei de beijar
A tua mão...
Pra teu amor nos salvar
Seja aqui em casa ou


Acolá!






Czar D’alma




2011/06/14

Quando Triste

            "Quando Triste"   



          



Se estou triste
Eu vou ao mar
Buscando a força
E quem tem o poder de amar


Se estou triste,
Insisto em cantar
Caminho em areias e ando nos ares
Eu ando mesmo a fim de sonhar...


Se ando triste eu quero beijar
Um dia de sol em pleno inverno
É o que acontece ao coração terno
Que um dia no seu cobertor sentiu-se pleno...


Quando estou triste
Eu busco da maresia teu rosto
Eu ando nos céus, me atravesso
No mundo e em pleno mar


Eu acho até que o mundo
Quer mesmo me ver feliz
Eu sei, o tempo é meu amigo
Sempre ao meu lado me diz...


Coisas tenras, corações doces...
Eu triste to querendo amar
Uns dias eu sonho com o mundo
Nos outros com o que seu mundo me dá


Se ando triste eu choro
Mas não sei mais te pedir



Pra ficar!






Czar D’alma



Pela Noite

            "Pela Noite"      



           



Hoje à noite eu abri o amar
Sonhando seus olhos me pus a chorar
Casando meus dilemas no mundo
E caçando em ti, meu sonho mais profundo


Hoje à noite me pus a mergulhar
Eu queria a vida que, seu amor me dá
Um beijo bom, um abraço forte...
E uma noite sem tanto pressa da sorte


Hoje à noite eu me ponha a pensar
No dia que seu sorriso me traz
Nessa sua curva que, sempre me satisfaz
Dos jantares eu me lembro da sobremesa veraz...


Dois amantes felizes se pondo a sonhar
Duas vidas distantes que o amor atrai
Dos momentos meus é teu nome a raiar


Sonho seus beijos...

Acordo em desejos

Ando em meio aos seus gracejos

Relampeando em meus medos

Eu quero ser feliz

Eu quero é amar!


Seu beijo em meio à noite e meu peito a pulsar
Tu em mim e minha vida a girar
Um monte de coisas que sabe-se lá
Um desejo é teu corpo, outro sonho é te amar


Onde os homens têm medo
Minha vida se abriga lá
Mas quando tu em mim despertas
Eu quero mesmo é contigo sonhar




E jamais acordar!





Czar D’alma