Seguidores

2016/06/08

Porta de saudade - Czar D’alma.


Porta de saudade  -  Czar D’alma




Porta de saudade  -  Czar D’alma. 




Eu vi sua foto, me pus à chorar
Com a alma aberta, querendo dançar...
Num meio de profusões de coisas inacabadas
Destilei-me  num verso, colei uma flor lhe dei poema.




Você trabalha, escova os dentes, sorri pra lua...
Não imagina que percorro as calçadas
Sempre à tua procura.




Eu vi uma foto sua, meus olhos em lágrimas
Um poema na porta da saudade
Uma verdade em meio aquilo que se foi
E que se tornou uma eternidade.




Meus ouvidos comeram de seu adeus
Um ateu chamado orelha então nascia.
Meu discurso que não cala, sua roupa que me sacia...
E quando o dia passa nasce a noite e melancolia.




Não acreditam que se fora
Meus olhos ao beberam saudade
E meu corpo agora numa linguagem
Gesto de um lado e do outro a honestidade.




Meus olhos que lhe viam
Meus medos que nos somam
Seu caminho um nosferatu
Verso caído ainda é poema e sinceridade.




Os dias e as noites se encontram pelas manhãs
E de tudo eu acredito que se tu a ti te fostes
Eu bebo dos momentos que existem em mim
Seu sorriso guardado nos tempos onde tudo era bondade.




Eu abro a porta, estendo a mão...
Você não vem e digo, tudo é vão.
Fecho a porta, abro a esperança
De que o mundo me ensine lavar-me da solidão.




Onde os homens se perdem
Acham-se as ilusões...
Onde o amor nasce
Não pode haver incompreensão.




Verso e vaidade andam juntos
Mas nunca num bolero dançarão.
Hoje eu sou a rima





E você, canção.






Porta da saudade – Czar D’alma







P.s.: Feliz Dia dos namorados!!!
.

Postar um comentário