Seguidores

2011/07/16

Esperança e Espinho

            "Esperança e Espinho"   



           



Se da esperança não me canso
São seus olhos que, me dão força
Se no silêncio tu não me ouves
São os gritos de minha alma em poças


Que os rios querem os mares eu sei
Não entendo como tudo em si me faz bem


Se na minha esperança tu não me amas
Vou da vida, sempre por um amor atrás
Mas entenda que o frio e a solidão
Não escolhem parceiros e quem as satisfaz?


Se da esperança em faço leito
Quando esta só eu me imagino
Em tuas lembranças em teu peito
Coisas que na minha tristeza imprimo


Os beijos são atos de ritual do amor
Mas são em seus braços e amasso
Que encontro da vida o rumo e favor
Onde há trégua da lida e do cansaço


Vem bebe da fonte no caminho
Haverá dias de luto e dias de espinho
Aguarde seus dilemas, penso no que vale a pena
Mas nunca os deixe com frio ou sozinho


Da vida vale a esperança
De que o mundo se acabe um dia
Mas se estiveres ao lado quem ame...
A gente sorri e diz que valeu da vida,


A esperança e o 


Espinho.





Czar D’alma 


2011/07/15

Herança e Amor

            "Herança e Amor"      



            



Quando eu nasci em seus braços
Dos vislumbres da vida
Tu me foste o maior
E o maior medo


Aprendi a temer
Quando vi que podia lhe perder
Uma coisa é esta ao seu lado
Outra nem quero pensar ou saber.


Dos dias em seu quarto
Das luzes apagadas
Dos beijos meus
E das tuas doces ciladas...


Eu estava sempre com o prisma
De despertar meu mundo
Pra que a gente possa sempre
Querer morrer por isso aqui


Dois corpos suados
Duas miríades de pensamentos alados
Coisas de amantes
Quase peço pra nunca


Nascer em mim, outro namorado...


Pois eu era a felicidade
Quando me via em seus planos
Acordos nossos, distantes da virgindade
Meus devaneios quase profanos...


Ah dos seus lábios decoro a tua língua
Por cada geografia por ela em mim percorrida
Um monte de pensamentos meus e nossos
Que me invadem a memória e trazem de volta à vida


Um dia ainda dou à volta no mundo
E acordo tuas promessas rabiscadas
Em torno de minhas coxas
Impressas quase á barriga


Onde eu era a sorte
E tu a minha coisa
Mais linda e destemida


Uma herança nos corpos
Mas que me embriaga, fascina





E delira!






Czar D’alma 



Ilusão de Um Segredo

            "Ilusão de Um Segredo"   



           




Fez-se em nada tudo que vivi sem ti
Andou e deu com asas, pôs-se a sumir
Não faz sentido olhar ao seu redor
E não lhe ver em volta de ti


Com meus rumores e gemidos
Deu-se em canção aos navegantes
Outros idiomas que junto aprendemos
Por meio de nossos corpos delirantes


Meu vício seu lábio perto de mim
Cada frase tua copiada em meu vestido
O tear de um amor que, jamais tem fim
Quando estou nos seus braços sou querubim


Quanta gente procura o que temos
E você procurando centelha em cabelo
Discurso seu do tempo que aprendeu ter medo
Um dia sou o raio do dia ao seu lado...



N’outros sou a ilusão de um 



Segredo.







Czar D’alma



2011/07/14

Amor e Licor

            "Amor e Licor"      



           




Deixei um legado fiel
Em forma de lágrimas
Pra que saiba o quanto
Desse amor bebemos do fel


Injúrias sem verdade, confissão sem debate
Pra cada marca no lençol, o beijo me cala a face
Deixei naquela tua face minha lágrima
E um monte de mentiras, por medo sem dádivas


Sim eu fui eu vi seu nome em tudo
Andei correndo de mim e amando-te em tom mudo...
De cada toque seu, meu corpo desenha o céu
Mas querendo tu a rua, calei-me por covardia em cordel


Ah quando eu somo as estrelas
São nesses astros que me confesso
Que da saudade tua, me recordo e me tomo
Mas quando eu olho o dia, se foi o verão e chega outono


Eu ando perdida das minhas roupas
Todas elas cobiçam teu corpo, sedução e amor
Quando eu olho os casais me pergunto
Como eu me dei ao luxo de vender o que não sou!


Descobrindo minhas noites
Desejando seus abraços
Colorindo as minhas vidraças
E da janela da alma foi-se a graça


Ah eu preciso de lhe amar até amanhecer
E quando o sol se por, de todo o erro se refazer
Querendo os nossos delicados e fortes gracejos
Onde eu sou a rua e o mar e você o meu porto e lampejo


Mas quando amanhecer e se você ainda se for...
Eu sou a Maresia em alto mar, eu sou o amor
Brincando seqüelas de sonhos,
Domando os medos
Entregue aos desejos
Mas sempre aquela que jamais


Espera viver sem seu corpo
Esse seu e meu, 


Licor.





Czar D’alma 


2011/07/10

Meu Ninho

            "Meu Ninho"      



           


Me perdoe... Já não sei o que faço
Pra quando olhar tua face
E resistindo não poder lhe tocar
Amando e não podendo beijar


Me perdoe, te amo demais
A cada minuto meu coração se refaz...
Canta versos, se ilude e me distrai
Querendo o teu sorriso, lindo demais


Me perdoe, tenho você sempre ao dormir
E quando acordo eu sei você nem ousa sair
Dos meus sonhos e planos são dos seus gritos
Dos seus gemidos, me embalo e me componho


Me perdoe, sou totalmente seu
Me leve às coisas que, nunca dissemos
Querendo o seu mundo, neguei o meu
Pra que um dia, sorria e seja o que nunca prometeu


Me perdoe to caindo de amores por você
Quero o beijo mais demorado quero nem mais saber
Quando estás com frio eu procuro sempre lhe aquecer
Pra quando a lua e sol nascer, enfim eu poder lhe ter


Por um segundo seu, dou todo meu mundo...
Esqueço amigos, saio calado no futebol do domingo
Saio da avenida, nem grito quando o samba for lindo
Eu quero o seu lado estar, quero o teu mundo quando virás


Ah eu ando amando seu discurso lindo
Que não precisa de ninguém
Que sua vida esta muito bem
Que gostas de ser só como alguém
Que em dias de chuva sente-se além


Ah eu quero te amar por toda minha vida
Mas se vieres esta noite...
Eu esqueço o dilema da vida
E por toda a eternidade e caminho


Eu serei o seu pássaro
Se você for o meu...



Ninho!





Czar D’alma